Buscar

ACADEMIA AMAZÔNIA ENSINA REALIZA EXPEDIÇÃO VOLTADA PARA STARTUPERS E ABRE SELEÇÃO PARA BOLSISTAS

Atualizado: 11 de Fev de 2020

Serão oferecidas 4 bolsas de estudo para o público de Manaus.



A Expedição Amazônia 21 – Startup acontecerá entre os dias 16 e 23 de fevereiro de 2020 e será a terceira expedição realizada pela Academia Amazônia Ensina e a primeira voltada para o público empreendedor de todo o Brasil. A programação contará com aulas de especialistas, debates e painéis com profissionais do empreendedorismo, apresentações sobre sistemas de financiamento, visitas a institutos de inovação e comunidades locais, abordando temas como, Empreendedorismo e Bioeconomia, Economia Ecológica, Biotecnologia e Desenvolvimento Econômico na Amazônia, Polo Industrial & Zona Franca de Manaus, Biodiversidade, Empreendedorismo Inovador, entre outros. A imersão acontecerá em dois momentos, o primeiro em Manaus e o segundo em uma navegação pela Região do Baixo rio Negro, na altura do Arquipélago de Anavilhanas, onde está localizada a Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Negro.


Por meio de uma parceria com o Instituto de Desenvolvimento Tecnológico – INDT, a Academia Amazônia Ensina, iniciou nesta quarta-feira, 29, seleção para quatro vagas com bolsas parciais de estudos, oferecendo 50% de abatimento sobre o valor total do ticket da expedição, com formas facilitadas de pagamento. As inscrições deverão ser realizadas até o dia 14 de fevereiro, por meio do endereço eletrônico https://www.academiaamazoniaensina.com/expedicao-amazonia-21-startup. O processo seletivo ocorrerá em duas fases. Na primeira, o formulário de inscrição será avaliado e em caso de resultado positivo, o (a) candidato (a) será classificado (a) para a segunda fase e participará de uma entrevista realizada pelo Comitê Avaliador da AAE.


O diretor geral da Academia, João Tezza Neto, explica que a Expedição Amazônia 21 – Startup é uma imersão no aprendizado sobre os negócios que buscam uma conexão essencial entre economia e conservação do ambiente natural. “Queremos ajudar a construir uma visão de sustentabilidade central dos modelos de negócios da era digital e dos limites da natureza. E não estamos nos referindo a essa questão como uma percepção de tendência, ao contrário, a sustentabilidade é um elemento permanente e indispensável no empreendedorismo que pretende ter o DNA do Século 21”, esclarece Tezza.