Buscar

MEIO AMBIENTE: POR QUE SE ENGAJAR?

A jovem parintinense Helena Andrade, estudante de Relações Internacionais e Ciência Política, na UNB, conta o que pensa sobre a atuação da juventude nas causas ambientais.



Helena Andrade, durante a Expedição Amazônia 21, na comunidade indígena Três Unidos, situada no rio Cuieiras.

Bolsista da 1ª Expedição Amazônia 21, realizada em janeiro de 2019, Helena Andrade foi uma das três brasileiras selecionas para compor a Delegação de Jovens do Brasil, no Fórum das Nações Unidas para Florestas – UNFF14, em maio deste ano, na cidade de Nova York. Nascida em Parintins, no Amazonas, Helena (19), hoje mora em Brasília, onde cursa Relações Internacionais e Ciência Política, na Universidade de Brasília – UNB e nos falou com foi “Estar tão perto das tomadas de decisões mundiais”, durante a UNFF14 e como o posicionamento e participação dos jovens podem ser uma real contribuição para a preservação do meio ambiente.




A Academia entrevistou a estudante depois que ela retornou do Fórum. Confira.


AAE - Quando começou o seu interesse pela agenda ambiental?

H.A. - Sendo amazonense, desde muito jovem compreendi a importância da proteção ao meio ambiente, estimulada principalmente pelos longos passeios de barco pelo rio Amazonas e pelas visitas às cachoeiras de Presidente Figueiredo. Mas só fui realmente estudar sobre o assunto na faculdade, quando tive contato com a disciplina de Proteção Internacional do Meio Ambiente e percebi que poderia concentrar meus estudos de Relações Internacionais em questões ambientais, unindo duas paixões.